Produtores de cachaça artesanal ganham laboratório do governo


Diário Da Manhã
Helton Lenine
O governo de Goiás, por meio da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectec), autorizou a aquisição de máquinas e equipamentos para montar laboratório que beneficiará produtores da cachaça artesanal de alambique. Inicialmente, cerca de 2 mil microempresários no Estado poderão ser contemplados com a implantação do laboratório que terá o papel de realizar análises das características físico-químicas da cachaça produzida em Goiás. O valor do investimento é de R$ 757.986,00.
De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectec), Mauro Faiad, com o investimento o governo viabiliza melhores condições para o aumento da renda dos microempresários deste setor. Ele informa que, nos últimos anos, grande parte da cachaça produzida em Goiás tem sido vendida sem marca para Minas Gerais e Distrito Federal. Lá, o produto é engarrafado, rotulado e vendido novamente para o mercado goiano com preços até três vezes superiores. O objetivo do governo é fazer com que este lucro fique com o produtor goiano.
O laboratório, que está em processo de licitação, será instalado na cidade de Anápolis, no Instituto Tecnológico de Goiás (ex-Centro de Educação Profissional). A Sectec já conta com estrutura física e com profissionais capacitados para o desenvolvimento do trabalho. Além disso, a localização é estratégica para atender aos produtores que estão em diversas partes do Estado.
De acordo com o secretário de Ciência, Tecnologia e Inovação (Sectec), Mauro Faiad, com o investimento o governo viabiliza melhores condições para o aumento da renda dos microempresários deste setor. Ele informa que, nos últimos anos, grande parte da cachaça produzida em Goiás tem sido vendida sem marca para Minas Gerais e Distrito Federal. Lá, o produto é engarrafado, rotulado e vendido novamente para o mercado goiano com preços até três vezes superiores. O objetivo do governo é fazer com que este lucro fique com o produtor goiano.
APL DA CACHAÇA
Em junho de 2013, foi formalizada a criação do Arranjo Produtivo Local (APL) da Cachaça, que busca desenvolver a cadeia produtiva por meio da capacitação de produtores e do oferecimento de linhas de crédito para o setor. Os Arranjos Produtivos Locais (APLs) têm como meta agregar valor aos produtos; desenvolver novas tecnologias; capacitar os profissionais que atuam nos segmentos vocacionais; priorizar linhas de financiamento para a modernização e aumento da produtividade; apoiar ações promocionais e de marketing para os produtos e serviços de cada município.
A instalação do laboratório em Anápolis já é resultado desse primeiro passo. Mas existem outras ações posteriores, como a criação da marca Cachaça de Goiás, a capacitação dos produtores, participação em congressos, feiras e outros eventos, além da criação de um selo de qualidade para o produto.
Tudo isso, segundo Mauro Faiad, irá promover o fortalecimento do setor, com a geração de mais empregos. Hoje, grande parte dos produtores utiliza basicamente mão de obra familiar no processo de fabricação da cachaça. É importante que os produtores tenham um rígido controle de qualidade e certificação, e que também possam usufruir de benefícios como canais de distribuição, uso de novas tecnologias e qualificação de mão de obra, o que resultará em aumento da produtividade, disse o secretário.
http://www.dm.com.br/