Produção de doce artesanal aumenta renda em Iguatu

Muito além de expandir a renda familiar, a atividade é motivo de alegria para o casal Anízio e Regina
Iguatu. No Sítio Barreira dos Paraibanos, na zona rural deste município, o casal de agricultores, Anízio Silva e Antônia Gomes (Regina), há 15 anos fabrica doces de leite. A comercialização do produto vem ajudando na melhoria da renda familiar. Diariamente, são produzidos 50 potes do produto de 500 gramas, custando R$ 5,00 a unidade. A embalagem com 30 unidades de tijolinhos caseiros custa somente R$ 2,00.
O trabalho começa cedo, ainda pela madrugada. Por volta das 4h da manhã, Anízio Silva já está preparando o fogo no fogão à lenha.
O trabalho começa cedo, ainda pela madrugada. Por volta das 4h da manhã, Anízio Silva já está no fogão à lenha preparando o fogo. Logo em seguida, coloca os tachos para esquentar. A atividade se estende até o meio-dia. O leite, a principal matéria-prima, é comprado de dois produtores da região. Por dia são consumidos 90 litros do produto, que é transformado em doce. Mas antes de ir ao fogo, todo o leite é coado. Na pequena cozinha erguida no quintal de casa, são fabricadas três variedades de doces de leite: puro em pasta, com coco e os tradicionais tijolinhos caseiros.
É nesse ritmo de trabalho que o casal produz diariamente os doces. Toda a produção é comercializada em Iguatu, mercearias e mercadinhos. Há duas revendedoras dos produtos que ficam encarregadas de fazer a distribuição. Os preços são bastante atraentes. Tem aqueles que ainda reclamam, mas não deixam de comprar, afirmou Regina Silva. Emocionada, lágrimas escorriam em seu rosto. A dona de casa e produtora da agricultura familiar esclarece: São de alegrias pelas dificuldades enfrentadas nesses 15 anos de luta.
Conquistas
Depois de uma década e meia de trabalho, os resultados são muitas conquistas, obtidas através da produção dos doces. Sustentamos nossos filhos, construímos essa casinha e se Deus quiser, vamos melhorar essa cozinha, contou Anízio. Apesar de difícil, o trabalho é compensador. O sonho do casal não para por aqui. A ideia é melhorar a estrutura do local, visando a expandir a produção e ampliar a clientela. O desejo é ver o produto nas prateleiras dos mercantis, supermercados, mercadinhos ao lado de outros fabricados em regiões distantes desta cidade, mas que são vendidos no mercado local.
Para a fabricação do doce de leite com coco, por exemplo, para cada 30 litros de leite, são usados cinco quilos de açúcar. O coco é descascado e ralado. A produção é simples, mas requer muitas horas de trabalho, ao lado do fogão quente, mexendo sem cessar os ingredientes no tacho. É preciso ficar atento ao ponto. Não tem segredo, o que tem é muito trabalho, principalmente em mexer o doce e controlar o fogo. Não pode ser demais senão queima e nem fraco, porque demora o cozimento, ressaltou Anízio Silva.
Depois de quase três horas, o primeiro tacho de doce é retirado do fogão. O trabalho agora fica por conta de dona Regina. É preciso cerca de 20 minutos mexendo, até esfriar um pouco, explica. Enquanto aguarda o ponto de corte, Anízio passa manteiga na pedra de mármore para fazer os tijolinhos de leite ou as cocadas.
A maior produção da unidade caseira é de doce em pasta porque é o tipo que tem maior preferência entre os clientes. O tijolinho sai menos e dá mais trabalho, pois é preciso riscar, cortar e depois embalar, explica dona Regina.
O casal, Anízio e Regina, mantém a atividade na agricultura, no período chuvoso. Faz plantio de culturas de subsistência (milho, feijão e mandioca). A nossa origem é na roça, a gente sempre trabalhou na agricultura e mantém a tradição, disse Regina. Contudo, a nova referência é o doce que encanta o paladar de quem experimenta o produto.
Mais informações:
Fabricação de Doces Artesanais
Sítio Barreira dos Paraibanos
Iguatu
Centro-Sul
Telefone: (88) 9246. 2053
HONÓRIO BARBOSA
REPÓRTER
http://diariodonordeste.globo.com/