PBH nega alvará para Feira do Mineirinho e artesãos ocupam imóvel de regional

Os feirantes afirma que vão ficar no imóvel, na Região da Pampulha, até o próximo domingo. Feira não está autorizada a funcionar no fim de semana
João Henrique do Vale
O impasse entre expositores da Feira de Artesanato do Mineirinho e a Prefeitura de Belo Horizonte continua. Novamente, o pedido dos feirantes para o alvará de funcionamento foi novamente negado nesta sexta-feira. Conforme a administração municipal, a fatal de documentos necessários impediu a expedição do licenciamento. Revoltados, integrantes da Associação dos Expositores da Feira Mineira (Aefem) e artesãos ocupam o prédios da Regional Pampulha, na Avenida Antônio Carlos, nº 7.596, no Bairro São Luís.
A feira está proibida desde o último domingo por falta de alvará. Nessa quinta-feira, o expositores conseguiram uma autorização e o evento aconteceu normalmente. Porém, a licença era apenas para ontem. De acordo com Tereza Cristina Marques, presidente da Aefem, os expositores estão na regional desde a manhã desta sexta-feira tentando a autorização para o trabalho no domingo. Estamos aqui desde às 9h junto com a empresa que administra a feira. A cada hora era pedido um documento diferente. Eles burocratizaram tudo, explicou.
Conforme Marques, por volta das 16h55 os funcionários da regional foram embora. Eles falaram que não tinha tempo hábil para analisar os documentos e que isso só seria feito na próxima segunda-feira, disse. Por causa da negativa da prefeitura, os expositores resolveram ocupar o imóvel. Ao todosomos 11 pessoas aqui dentro acompanhados da Guarda Municipal. Outras pessoas já estão vindo nos apoiar. Pedimos para elas trazerem alimentação porque vamos ficar aqui até domingo. Só vamos sair para fazer uma manifestação em frente ao Mineirinho, comentou.
Em nota, PBH informou que a Gerência de Licenciamento da Secretaria de Administração Regional Municipal Pampulha analisou a documentação necessária para o licenciamento e detectou que estava incompleta. Um dos documentos pendentes é a comprovação de contratação de cobertura de danos pessoais que atinjam visitantes, frequentadores, clientes e trabalhadores presentes no local. Por isso, a administração municipal ressaltou que a feira permanece interditada.
www.em.com.br