Mel gaúcho vira cosmético e abastece redes de hotéis em cidades-sede da Copa


Da Redação
O município de Vacaria, no Rio Grande do Sul, vem ganhando destaque na produção de mel. Vacaria estará em evidência nos hotéis das cidades-sede da Copa do Mundo 2014. Essa matéria-prima é ingrediente da primeira linha de amenities Talentos do Brasil composta por sabonetes, xampus e cremes, lançada na quarta-feira (16).
Essa é uma das 124 iniciativas escolhidas em todo o país para participar do projeto Talentos do Brasil Rural, uma parceria entre o Sebrae e os ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e Turismo (MTur) para a inserção de insumos rurais no mercado, a partir de uma articulação com a indústria e os pequenos produtores. O orçamento, de R$ 3,2 milhões, está sendo aplicado em capacitação em gestão, produção e comercialização. Existem muitas perspectivas de negócios dentro das cadeias produtivas de grandes empresas, como essa do setor hoteleiro, mas é preciso estar preparado para aproveitar essas oportunidades. A gestão tem de estar em dia, a qualidade dos produtos necessita ser excelente e os prazos combinados precisam ser respeitados para que os negócios com grandes estabelecimentos possam ser positivos e duradouros, afirmou o presidente do Sebrae, Luiz Barretto.
Orçamento de R$ 3,2 milhões está sendo aplicado em capacitação em gestão, produção e comercialização
Para o diretor do Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor (Degrav), da Secretaria da Agricultura Familiar do MDA, Nilton Pinho de Bem, com o foco na inserção dos produtos da agricultura familiar no mercado hoteleiro estará sendo cumprida mais uma etapa da promoção comercial do Projeto Talentos do Brasil. O lançamento da linha de amenities demonstra a importância da parceria com o setor empresarial em especial com a indústria de cosméticos que potencializa o consumo de produtos sustentáveis no mercado, afirma.
Quem fornece o produto é a Associação dos Produtores de Mel de Vacaria (Avapis), que inclui 49 propriedades da agricultura familiar. De acordo com o presidente da associação, Alair Maciel, o contrato de fornecimento para a indústria de cosméticos é vantajoso e vai melhorar a vida dos associados, tendo em vista que 5% da comercialização dos produtos será revertida à cooperativa e que o preço pago pelo mel é melhor que no mercado comum. Estamos vendendo a matéria-prima a R$ 9 para a empresa. No varejo, o produto sai a R$ 8. Além disso, esse contrato nos traz segurança.
A associação também pode comprar os produtos finais da indústria de cosméticos a preço de custo e comercializá-los posteriormente, o que pode gerar outra fonte de renda para essas famílias. Segundo Maciel, as 80 toneladas produzidas ao ano são suficientes para atender à demanda surgida com o contrato e, se for necessário, a associação deixará de vender o mel em feiras e mercados locais para atender somente ao projeto.
MDA