Margaridas do Campo pode representar Estado com artesanato na Copa do Mundo


Nesta sexta-feira o grupo participa da Rodada de Negócios do Sebrae
Um grupo de sete mulheres do Assentamento Margarida Alves, localizado no município de Rio Brilhante e que participou de uma capacitação em Artesanato em Fibra de Bananeira, desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural de Mato Grosso do Sul (Senar), há cinco anos, pode ser um dos representantes do artesanato do Brasil durante a realização da Copa do Mundo.
Nesta sexta-feira (21), elas participam e expõem as produções, na Rodada de Negócios, Brasil Original, do Serviço Brasileiro da Micro e Pequena Empresa de Mato Grosso do Sul (Sebrae/MS).
As mulheres começaram o trabalho por meio do Sindicado Rural do município, na ocasião, o objetivo era conseguir entrar para o mercado de trabalho e atualmente, elas produzem com as fibras da bananeira, suporte para pratos e caixas recheadas com doce de banana.
Segundo a representante do Margaridas do Campo, como o grupo é chamado, Carmem Machado, a obra prima barata foi um dos incentivos para que o trabalho tivesse continuidade. As capacitações mudaram nossas vidas e elevaram nossa auto-estima. Passamos a cultivar as bananeiras, de onde retiramos o material para o artesanato, que incrementou a renda do assentamento, afirmou.
O grupo Margaridas do Campo despertou o interesse de empresários e nos próximos dias deve expor as peças na Casa do Artesão, na Capital e em novembro, o grupo também participa da Feira da Agricultura Familiar, realizada em Brasília.
Independente do resultado, já nos sentimos vitoriosas, foi uma grande mudança nas nossas vidas. Hoje temos nosso trabalho reconhecido, nossa renda e nossas expectativas, ressaltou.
A Rodada de negócios deve reunir 20 artesãos e possíveis compradores para as negociações. As peças expostas no evento serão as mesmas que representarão o artesanato durante a Copa do Mundo, em junho.
Fonte: Aline Machado - Capital News (www.capitalnews.com.br)