Madeira vira obra de arte nas mãos de artesão em São José do Egito


Há cinco anos, o ex-marceneiro decidiu se especializar em peças artesanais.
São cerca de 800 peças expostas que custam de R$ 10 a R$ 6 mil.
Do G1 Caruaru
1 comentário
Em São José do Egito, no Sertão pernambucano, um tipo de arte tem chamado a atenção de quem passa pelo município. São esculturas em madeira feitas por um artista da cidade. Aos poucos, com a ferramenta chamada enxó, o artesão Valdeci Alves de Lima, ou Valdo Piancó, como é conhecido, começa a transformar lenha nas peças atraentes.
Bengala com um tucano e o leão têm valores sentimentais.
Há cinco anos, o até então marceneiro decidiu se especializar e começou a fazer peças artesanais. Eu não via esse negócio em canto nenhum. Então, surgiu a vontade de fazer e comecei. Eu olho a foto, presto atenção nos detalhes do animal ou da ave e faço, conta o artesão. De todos os trabalhos do ateliê de Valdo Piancó, a bengala com um tucano e o leão têm valores sentimentais: as peças foram as primeiras na carreira do artesão. Através da bengala do tucano, veio o leão e, desses dois, comecei a me inspirar e fabriquei mais, lembra.
São cerca de 800 peças expostas que custam de R$ 10 a R$ 6 mil. Com a madeira Medium Density Fiberboard (MDF), são feitas borboletas, alguns pássaros, peixes, porta-toalhas, porta-chaves e quadros. Já as aves de várias espécies, leões, peixes, onças e zebras são confeccionadas com madeira da árvore de tamboril.
Peças de Valdo Piancó custam de R$ 10 a R$ 6 mil.
A gente vai passando e admirando o que ele faz, que são belíssimas as peças e para fazer um trabalho desses tem que ter um dom especial, comentou a estudante Layni Ramos, que visitou a mostra. Já o professor, Arlindo Lopes acredita que a população deve valorizar mais o trabalho de artesão. Eu admiro demais a pessoa de Valdo Piancó porque ele é um artesão autodidata. As pessoas que valorizam a arte e a cultura, as coisas sublimes da vida, que venham conhecer o trabalho desse artista e adquiram peças dele. Eu tenho certeza que, no futuro, assim como os grandes artistas só vieram a ter valor depois que morreram, nós esperamos que ele tenha seu valor reconhecido ainda em vida.