Lançado livro sobre a arte e memória do queijo do Serro

Lançado livro sobre a arte e memória do queijo do Serro
Governador Anastasia participa do lançamento de livro sobre a memória e arte do queijo do Serro. Obra de autoria da secretária de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais, Maria Coeli Simões Pires, oferece viagem de história e sabor pela tradição mineira
O governador Antonio Anastasia participou, na noite desse sábado (28), no Museu de Artes e Ofícios, em Belo Horizonte, do lançamento do livro Arte e Memória do Queijo do Serro - O saber sobre a mesa, de autoria da secretária de Estado de Casa Civil e de Relações Institucionais, Maria Coeli Simões Pires.
Anastasia destacou a importância do trabalho realizado pela autora sobre um dos produtos de maior valor de Minas Gerais.
Ela encontrou, na história do queijo artesanal do Serro, uma possibilidade não só de fazer um registro histórico, mas um registro ao mesmo tempo técnico e gastronômico da história desse produto que tem um valor inestimável para a cultura de Minas Gerais, por entender a trajetória daqueles pioneiros que lançaram a ideia do queijo do Serro, e mais do que isso, fizeram pela culinária, pela tradição e pela história de Minas Gerais, uma grande contribuição, disse o governador.
Editado em formato de livro de arte, de grande porte, e publicada pela editora UFMG, a obra será fonte de pesquisa e de informação, pois combina o trabalho científico realizado pela autora com a pesquisa de campo sobre o ambiente de produção do queijo artesanal mineiro, em suas várias etapas, com rico material iconográfico contendo mapas históricos e documentos de época, sendo também fartamente ilustrado com fotografias do passado e do presente dessa secular atividade rural.
A autora ressaltou que a escolha por escrever sobre o queijo do Serro é devido ao fato de ser uma iguaria saborosa e está na mesa de praticamente todos os mineiros, e por ser um queijo importante pela história e por tudo que traz de simbólico para a culinária mineira.
Eu não me proponho a fazer uma ciência do queijo do Serro. A proposta é resgatar o modo de fazer e, por isso mesmo, acho que os leitores vão encontrar uma historiografia paralela, e vão, certamente, encontrar registros de raiz. Meu compromisso como serrana me levou a fazer esse livro e a compartilhar com todos essa sabença lá da Serra do Espinhaço, especialmente lá da região do Serro, ressaltou Maria Coeli.
No posfácio da publicação, assinado pelo governador Antonio Anastasia, há o seguinte comentário: o leitor, seja profissional da área, seja o curioso, seja o amante das coisas mineiras, encontrará neste volume um rico e precioso material, fruto de pesquisa séria, comprometida e profunda que lhe dispensou a autora.
Patrimônio cultural
Antes de tomar a forma de livro, a pesquisa inicial realizada pela professora Maria Coeli contribuiu, junto a outros estudos acadêmicos, para a abertura do processo, junto ao Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), destinado ao registro do modo artesanal de produção do queijo do Serro. A iniciativa, após a ampliação de seu escopo e pesquisa, culminou por conferir, em 13 de junho de 2008, a titulação de Patrimônio Cultural do Brasil ao modo artesanal de fazer queijo de Minas nas regiões do Serro, da Serra da Canastra e Salitre/Alto Paranaíba.
Esse caráter científico da obra não limita, porém, a leitura do livro ao circuito especializado, pois o leitor poderá também aproveitar-se do estilo literário suave e delicado da autora, que incorpora registros poéticos - extraídos de livros anteriores. O leitor poderá ainda colecionar, em franjas zelosamente dobradas nas suas páginas, segredos da cozinha mineira, com receitas culinárias da mais pura tradição.
No centro dessas pausas líricas e de sabores culinários, o livro de Maria Coeli caminha resolutamente pelas trilhas do queijo, desde o capítulo inicial - Uma história que vem de longe, que mergulha fundo na origem e segue a evolução do queijo no mundo, até seus capítulos finais: Queijo Minas e o Queijo Artesanal do Serro e O Ofício do Queijeiro.
Além de investigar e recuperar o passado desse alimento de cinco mil anos, o livro valoriza as conquistas do tempo presente e projeta o futuro do queijo artesanal mineiro que enfrentou riscos de extinção em passado recente.
Para isso, o primeiro grande passo já foi dado, com a criação da Certificação de Identificação Geográfica do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi), correspondendo ao controle da origem e da qualidade de cada produto.
Concepção editorial
Para concretizar essa iniciativa editorial, o livro Arte e Memória do Queijo do Serro resulta de proposta da Drummond Consultores Associados - Artmanagers ao Ministério da Cultura, tendo a obra, em seu crédito, a coordenação editorial da Conceito Editorial, integrada por Sílvia Rubião, José Eduardo Gonçalves e Doia Freire; projeto gráfico da New Comunicação, com assinaturas de Ângela Dourado, Anelise Dias Giordano e Bernardo Lessa; fotografia de Luiz Otávio Lopes; foto de capa de Elias Aun, que também assina as fotos de abertura dos capítulos 2, 3 e 5 e a da página 98; foto panorâmica da guarda de Felix Tolentino e outros; assessoria jurídica de Drummond e Neumayr Advocacia; revisão de Juliana Galvão; tradução para o Inglês - em CD anexado ao livro - de Sérvulo Monteiro Resende; além dos colaboradores da pesquisa: Jorge Brandão Simões; Fabiana Coelho Simões; Maíra Freire; Marcílio Freire (revisão); Célia Corsino; Doia Freire e Zara Simões.
http://www.farolcomunitario.com.br