Feira de produtos rurais de Camboriú completa 20 anos de história e preservação da agricultura familiar


Feira é mantida exclusivamente por mulheres.
Um pedacinho de Camboriú tem cheirinho de pão fresco, bolos e biscoitos coloniais. A casa, no Centro, é simples, pequena, mas guarda cultura em cada receita. O imóvel é usado por cinco mulheres do interior para fazer a feira de produtos rurais, que completou duas décadas de existência nesta semana. Pães, bolos, tortas, geleias, biscoitos e queijos - tudo é comercializado fresquinho e envolve os visitantes, que chegam bem cedo para levar os primeiros itens.
Mas não são só as cinco mulheres que fazem as delícias vendidas. A feirinha envolve toda a família, como aconteceu com a avó Maria Serpa Rampeloti, 66 anos, a nora Vanderléia Florencio Rampeloti, 45, e a neta Bárbara Rampeloti, 24. Maria foi uma das 14 mulheres que começou a trabalhar na feira, a convite da Epagri de Camboriú, em 1994. No começo, vendiam os produtos na antiga sede da prefeitura e fabricavam muito pouco. Após 20 anos, o trio chega a produzir cerca de 180 pães, 200 pacotes de biscoito e em torno de 80 bolos por semana, além de geleias e licores.
- A maioria das receitas é antiga, eram tradição das mães, e algumas aprendemos com a Epagri. Aqui todas respeitam o trabalho uma da outra - conta Maria.
A neta Bárbara já nasceu neste meio e, aos quatro anos, ajudava a mãe e a avó com a louça.
- Eu estudava meio período e no outro ajudava. Em 2006, quando me formei, comecei a trabalhar direto com elas. A gente trabalha com o que gosta - destaca a jovem.
Fonte: Maikeli Alves/Diário Catarinense