Embrapa apresenta tecnologias em prol da produção familiar


Exposição traz alternativas para incrementar a geração de renda e tecnologias para diversificar culturas em pequenas propriedades
por Portal Brasil Publicado
Fruticultura vai estar representada pelas cultivares de amora-preta e pêssego de mesa, que têm boa produtividade e baixa necessidade de frio
A Embrapa Clima Temperado/Pelotas (RS) participa da Expodireto Cootrijal 2014, em Não-Me-Toque (RS), desde segunda-feira (10), até o dia 14 de março, com tecnologias para diversificação de culturas, alternativas para incrementar a geração de renda na pequena propriedade e como forma de resgatar conhecimento, genética e cultura de uma região.
A unidade de pesquisas vai expor em áreas demonstrativas junto ao espaço da Emater/RS e também no espaço institucional. Na ocasião, será apresentada duas cultivares crioulas de abóbora lançadas recentemente: a BRS Tortéi e a BRS Linda (foto). A primeira é indicada para culinária, e a segunda, para ornamentação. A BRS Tortéi é recomendada para o preparo do tortéi (massa recheada com creme de abóbora da cultura italiana). A Tortéi, produz 50 frutos por planta e a Linda, 20 frutos por planta.
Também serão apresentadas as batatas-doces BRS Cuia, BRS Rubissol e BRS Amélia (foto). São cultivares rústicas, pois apresentam grande resistência a pragas e crescem em solos pobres e degradados. A batata-doce pode ser plantada praticamente o ano todo, inclusive, nas regiões Norte e Nordeste do País e possuem produtividade superior a outras variedades. A BRS Amélia possui um diferencial pelo sabor e polpa alaranjados, com estudos que indicam maior concentração de carotenóides.
Outras alternativas para os agricultores são as batatas BRS Ana, BRS Clara, BRS Eliza, Macaca, Baronesa e BRSIPRBel. Esse grupo de cultivares são mais rústicas, minimizando os prejuízos com a requeima, principal doença que afeta a lavoura.
A Unidade apresenta também as variedades RB de cana-de-açúcar voltadas à produção de álcool, especialmente, as recomendadas para o Rio Grande do Sul. A pesquisa realizada demonstra que possuem média e alta produtividade agrícola, condições regulares em situações de estresse por frio, boa sanidade vegetal, colheita em início e meio de safra com elevada riqueza e crescimento rápido.
A sua produtividade, se comparada as cultivares já conhecidas, fica em uma média de crescimento de 34 toneladas/ha. As cultivares recomendadas atingiram uma produção média de 96 toneladas/ha nos anos de experimentação.
Na área de forrageiras, a unidade de pesquisa oferece três cultivares capim elefante-anão BRS Kurumi, azévem BRS Ponteio e trevo BRS Resteveiro. A BRS Kurumi é uma cultivar recomendada para a região Sul, Cerrado e Amazônia.
Destaca-se por ser uma espécie de verão e perene, com ampla adaptação e facilidade de manejo. O azevém BRS Ponteio é uma gramínea anual que apresenta alta produção e qualidade de forragem, tendo como principais características o ciclo longo e a alta proporção de folhas.
Já a BRS Resteveiro (foto) é uma cultivar de trevo-persa com ótima adaptação a solos úmidos, com capacidade de produzir 30 toneladas de pasto verde por hectare, o que corresponde a 6 toneladas de matéria seca.
A fruticultura vai estar representada pelas cultivares de amora-preta BRS Xavante e BRS Tupy Ambas as variedades têm boa produtividade, baixa necessidade de frio (200-300h) e equilibrado sabor ácido-doce, apesar da Xavante ter a predominância do ácido.
A Tupy é a variedade mais cultivada no Brasil e no México para exportação, destacando-se por sua elevada produtividade já no primeiro ano e por suas plantas vigorosas. Em breve será lançada a cultivar BRS Xingu, mas durante a feira, os agricultores poderão obter informações técnicas das três variedades.
Além das amoras, também haverá pêssego de mesa. As As cultivares BRS Kampai, BRS Regalo, BRS Fascínio e BRS Rubimel. A BRS Kampai, possui diferencial no sabor e precocidade na maturação, além de ter certificação de proteção no Brasil. A BRS Regalo, tem baixa acidez e é de polpa branca, tendo boa estabilidade em produção.
A BRS Rubimel é um fruto apreciado pelo consumidor, com ótima aparência. E a BRS Fascínio (foto) foi desenvolvida para competir com as frutas importadas, por ter frutos grandes, firmes e de polpa branca. O rendimento de produção dessas cultivares em média variam entre 40 a 50kg/planta. A BRS Fascínio, pode produzir um fruto com cerca de 250 a 300g.
Tecnologias para sistemas de produção de base ecológica, também terão oportunidade de serem conhecidas. As técnicas do Minhocário Campeiro e a Compostagem Laminar serão duas opções ao agricultor familiar. As duas práticas são benéficas ao solo, principalmente em épocas de seca, onde são capazes de protegê-lo ao reter umidade.
O Minhocário Campeiro é ideal aos agricultores ecológicos, pois precisam de grande quantidade de fertilizantes orgânicos para seus cultivos. Este modelo indicado, o campeiro, é o mais simples e barato de ser construído, pois utiliza-se de materiais disponíveis na propriedade.
A outra contribuição será com a técnica da Compostagem Laminar, um processo dirigido de decomposição de resíduos orgânicos realizado na superfície do solo, sendo inspirada nos processos naturais, possui vantagens como aproveitamento de resíduos, economia de tempo e mão de obra em comparação ao processo tradicional de compostagem em pilhas.
Fonte:
Embrapa
http://www.brasil.gov.br/