Economia Verde e Solidária certifica 43 empreendimentos produtivos coletivos


Associação de Artistas Artesãos e Produtores Rurais de Campo Alegre é uma das contempladas com recursos. Foto: Divulgação
O governo do Estado entrega nesta quarta-feira, dia 11, a partir das 12h, na Casa DAgronômica, em Florianópolis, os certificados para 43empreendimentos produtivos coletivos selecionados pelo programa Economia Verde e Solidária. Esta é uma ação que visa fortalecer a base da nova economia catarinense. As associações receberão até R$ 300 mil, a fundo perdido, além de apoio técnico para seus projetos, diz o secretário do Desenvolvimento Econômico Sustentável, Paulo Bornhausen.
O Economia Verde e Solidária foi desenvolvido para cooperativas e associações de produção coletiva que usam resíduos sólidos para gerar trabalho e renda. Foram analisadas 145 propostas que passaram por várias etapas, como habilitações jurídicas e técnicas, além de visitas.
Serão disponibilizados R$ 20 milhões, dos quais R$ 10 milhões são do governo do Estado, em parceria com o Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina (Sebrae/SC), para diagnósticos setoriais, estudos, consultorias e participações em feiras e rodadas de negócios. Os outros R$ 10 milhões são de financiamento com o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social) para execução dos projetos.
Um dos empreendimentos selecionados foi a Associação de Artistas Artesãos e Produtores Rurais de Campo Alegre, que conta com 27 participantes. Eles utilizam resíduos de vasilhames plásticos, retalhos de tecidos e resíduos de madeira, caixas de leite, jornais e revistas, latas, dentre outros. Criada há 12 anos, a associação disponibiliza espaço para a venda dos artigos, realiza cursos, oficinas e workshops. O valor disponibilizado por meio do Economia Verde e Solidária será investido na construção de uma casa artesã, onde os produtos podem ser comercializados, uma máquina para lavar lã e outra para tricô. Esta é uma excelente oportunidade que o governo do Estado está dando para pessoas que precisam, diz a artesã Relinda Alandt.
Outro projeto habilitado foi da Associação de Artesanato Videira das Artes, onde trabalham 34 mulheres que produzem os artigos em suas casas e expõem em um espaço cedido pela Prefeitura Municipal de Videira. Segundo a artesã, Nair Mai, a entidade se inscreveu no programa com objetivo de montar uma loja, onde os produtos poderão ser comercializados. Também queremos fazer cursos para que mais mulheres do município possam trabalhar e garantir uma renda extra, conta.
O programa Economia Verde e Solidária é realizado ainda em parceria com Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc). Participam ainda do comitê gestor do programa, que é presidido pela SDS, a Secretaria da Assistência Social, Trabalho e Habitação (SST), Fundação do Meio Ambiente (Fatma), Agência de Fomento do Estado de Santa Catarina (Badesc), Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (Ocesc), Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc).
http://www.economiasc.com.br