De produção artesanal de velas, sabonetes e ímãs a loja com 42 mil itens


Darlene Vigineski iniciou negócio em casa com peças de biscuit, que eram vendidas em lojas (Cleiton Borges)
A produção artesanal de velas, sabonetes e ímãs de geladeira decorados com biscuit, que há muitos anos é uma forma de se obter renda extra com o trabalho em casa, virou um negócio de sucesso para o casal Darlene Glória Vigineski e Flávio Antônio Basso. A iniciativa deu origem à loja Darlene Artesanato, que conta atualmente com 42 mil itens, e ocupa uma área de 700 m² na avenida Afonso Pena, no centro de Uberlândia.
O negócio começou em casa e em seis meses já gerava um faturamento mensal aproximado de R$ 7 mil. Hoje, com 12 anos de existência, a empresa tem um faturamento mensal superior a R$ 200 mil. No início, trabalhávamos em três pessoas e, atualmente, estamos com 54 funcionários, temos duas lojas e uma fábrica de peças em MDF para atender os clientes da loja, afirmou Flávio Basso.
A produção de velas, sabonetes e ímãs de geladeira foi o começo do negócio que a empresária Darlene Vigineski descobriu ao ler uma revista especializada na abertura de pequenas empresas. Ela fazia os ímãs decorados com motivos de frutas e o marido vendia as peças em lojas de variedades. Os primeiros ímãs decorados foram vendidos em três lojas de utilidades domésticas do Centro, que fizeram encomendas de mais itens, disse a empresária.
De acordo com o casal, três meses após o início da produção, eles receberam uma encomenda de 30 mil ímãs em formato de telefones fixos e celulares da então CTBC (hoje, Algar Telecom). Com o lucro desta encomenda, a gente pagou a entrada da compra das instalações de uma marcenaria para produzir peças em MDF, disse Basso.
Além de produzir as peças para vender, Darlene Vigineski passou a dar cursos em casa de decoração em biscuit. Os cursos foram uma segunda frente do negócio, uma vez que, além de ensinar, ela passou a vender aos alunos o material necessário para produzir as peças. No começo, os produtos como cola, tintas, pincéis, entre outros ficavam expostos em um biombo.
A empresária disse que ensinar passou a ser uma segunda etapa do negócio inicial e consolidou o crescimento. Com a gente fornecendo o material, passou a ser mais interessante dar cursos do que produzir os itens para vender. Segundo ela, cerca de 700 famílias vivem em Uberlândia com renda oriunda de artesanato e adquirem os produtos em sua loja.
Empresa tem marcenaria própria e vai abrir a terceira loja, em Goiânia
Com a compra das instalações de uma marcenaria, o casal Darlene Glória Vigineski e Flávio Antônio Basso, proprietários da Darlene Artesanatos, que já produzia diversos itens de decoração em biscuit, passou a fabricar peças em MDF usadas na decoração de quartos de bebês e de festas. Em 2005, em um espaço de 30 m², quatro funcionários produziam bandejas, coroas, caixas e até oratórios. Hoje a fábrica ocupa um espaço de 680 m² e conta com 12 funcionários.
Desde 2010, a empresa tem uma filial em Uberaba, também com 42 mil itens à venda. A gente percebeu que, naquela cidade, não havia uma loja que oferecesse uma grande variedade de itens, o que nos motivou a abrir a filial, disse Flávio Basso.
O empresário percebeu também um nicho de mercado em Goiânia e em junho deste ano vai abrir uma filial na capital goiana. A loja vai ter um investimento de R$ 300 mil e vai contar com a mesma quantidade de itens que oferecemos em Uberlândia e Uberaba.
Com o sucesso da loja Darlene Artesanato, uma referência em vendas de materiais para a produção de artesanatos em geral, Darlene Glória Vigineski e Flávio Antônio Basso resolveram investir também na internet e há oito anos passaram a ter um site de vendas. A ideia surgiu porque a gente comprava muitos produtos pela internet e acreditamos que outras pessoas também poderiam comprar, disse Darlene Vigineski.
Segundo ela, atualmente, o site representa 20% de todo o faturamento do negócio, oferece 7 mil itens e conta com quatro funcionários para atender à logística dos pedidos à entrega.
https://www.correiodeuberlandia.com.br