De oleiras a empresárias: Mulheres mudam de vida com artesanato


Cooperativa de artesãs gera trabalho e renda através da venda de peças.
Artesãs produzem mandalas, jarros, esculturas, objetos de decoração.
Gilcilene Araújo
DO G1 PI
Foram anos carregando tijolos na cabeça debaixo do sol escaldante de Teresina. Mas, em 2003, um grupo de mulheres resolveu moldar a própria vida e superar anos de dificuldades transformando barro em oportunidades. Dona Raimunda Teixeira, 50 anos, foi a pioneira nesta revolução. Cansada da vida que levava, ela buscou um novo trabalho para sustentar seus dois filhos, Ronaldo Teixeira dos Santos e Crislene Ducarmo da Silva.
Raimunda Teixeira, presidente da Cooperart com
primeiras peças feitas pelas mulheres
Eu queria que meus filhos tivessem futuro diferente. Foi então que, em um determinado dia, decidi que minha vida iria mudar. Deixei a olaria e passei a vender lanches para os homens que trabalhavam retirando argila de uma lagoa localizada no bairro Poti Velho, Zona Norte da cidade, lembra.
A proximidade com os ceramistas possibilitou à dona Raimunda mais que boas vendas. No convívio diário com barro e tinta, ela descobriu sua vocação. Sempre quis fazer pintura em tecido e nunca tive a oportunidade. Quando trabalhava como vendedora de lanches, uma senhora que pintava desenhos em cerâmica perguntou se eu não tinha vontade de aprender a técnica. Aceitei o convite e, depois disso, fiquei apaixonada por artesanato com barro, conta.
O primeiro passo para investir no novo ofício foi reunir um grupo de mulheres para fazer bijuterias, já que os homens eram os únicos responsáveis pela produção cerâmica da região, as mulheres cabia apenas o trabalho de pintura das peças. O segundo passo foi a qualificação e melhorar a produção das bijuterias. O parceiro escolhido para esta empreitada foi Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), que promoveu cursos de capacitação em modelagem de bijuterias em cerâmica para as artesãs e ajudou a evitar o desperdiço na produção.
Com a capacitação, elas formalizaram a união e criaram a Cooperativa de Artesanato do Poti Velho (Cooperart Poty). O grupo era composto por mulheres que trabalhavam nas olarias, além das esposas de pescadores e donas de casa. Com cooperativismo, elas começaram a produção de bijuterias e jarros. No começo, poucas pessoas acreditavam que a Cooperativa traria lucros. As desconfias surgiam dentro de casa.
Artesã diz que família não acreditava no potencial da Cooperart
Meu marido e filhos diziam mãe, quem vai comprar isso aí, mãe? Essas bolinhas. Quem que vai botar barro no pescoço?. Meu marido me chamava até de Maria bolinha. Eu insisti, não desisti, relata a artesã Sonia Maria Nascimento da Silva.
Junto com a parceria do Sebrae, logo vieram outros parceiros e entre eles estavam o Banco do Brasil e o Instituto Walmart. E cada vez mais capacitações vieram, e as mulheres começaram a acreditar no potencial. A prova disso é que elas começaram a produzir esculturas e objetos de decoração. As primeiras peças foram inspiradas justamente nas empreendedoras: a mulher do bairro Poti Velho. Em uma coleção formada por cinco bonecas, elas retratam a dura vida que já levaram e contam um pouco da história do bairro, o mais antigo de Teresina.
A mulher da olaria carregava tijolos na cabeça o dia inteiro por R$ 10. A mulher do pescador acompanhava o marido para limpar os peixes no barco. Os traços físicos e religiosos da população também são preservados na mulher religiosa, na ceramista e na contista, afirma Raimunda Teixeira.
Colhendo os frutos
Atualmente Raimunda é presidente da Coorperativa. Ela conta que foi desta forma tímida que elas começaram a vender as primeiras peças. A consolidação do artesanato de Poti Velho veio com a criação do Polo Cerâmico. Hoje, há a separação entre os locais de produção e de comercialização das peças. O Polo Cerâmico é composto por 23 boxes, e as vendas dos produtos beneficiam cerca de 300 famílias, já que outras coorperativas também comercializam seus produtos artesanais no local.
Hoje em dia eu já tenho o meu próprio dinheiro, ajudo em casa, ajudo meu esposo. Não preciso mais pedir para poder fazer uma conta porque eu mesma posso pagar, diz Maria de Jesus Lima de Araújo.
Polo Cerâmico oferece uma grande variedade de peças para decoração
Segundo Raimunda, 35% da produção da Cooperativa é enviada a lojas de outros estados. Hoje vendemos nossa produção para São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Rio Grande do Sul. Além disso, também recebemos muitos turistas estrangeiros, a maioria da Espanha e da Itália. Eles visitam o Polo Cerâmico para conhecer nossa história e peças, conta Raimunda, idealizadora do projeto.
Quando carregávamos tijolos na cabeça não chegavam a receber um salário mínimo. Atualmente, o salário chega a três salários mínimos, e com isso eu realizei meu sonho vê meus filhos numa vida um pouco tenho. Ronaldo Teixeira trabalha comigo e os filhos de muitos artesãos não precisam deixar de frequentar a escola para carregar tijolos na cabeça, comemora.
E o ano de 2013 foi de comemoração para as artesãs. Em setembro, a Cooperart Poty foi selecionada para participar da exposição Mulher Artesã Brasileira, na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, nos Estados Unidos. Um documentário contando a história da Cooperart Poty também foi exibido na exposição.