Barra recebe atrações culturais, feiras gastronômicas e artesanato; confira programação para hoje


Nova Barra surpreende e tem espaço para esporte e lazer
Monique Lôbo* (monique.lobo@redebahia.com.br)
Acordar cedo, colocar o tênis e a roupa de caminhada e percorrer, de ônibus, carro ou carona, 30 quilômetros até a Barra. Moradores de outros bairros foram conferir a nova orla, que ontem teve programação especial, com passeio ciclístico e estandes com comida e artesanato.
Depois da inauguração oficial, na sexta-feira, com shows, fogos e balões, a Barra recebeu, após 11 meses de obras, gente de diferentes bairros, em seu segundo dia de cara nova. O CORREIO ouviu moradores de Cajazeiras, Cabula, Paripe e também da Ribeira, na Cidade Baixa.
Programa de fim de semana: pedestres caminham em piso compartilhado no Largo do Farol; outros deitam na grama e contemplam nova orla
Nem a chuva que caiu de manhã desanimou os vendedores Silvandira Assunção, 47 anos, e Manuel Lima, 50. O despertador tocou cedo na casa deles, em Cajazeiras, para conhecer o tal calçadão compartilhado e ver a nova Barra - com balaustrada recuperada, novas praças, paisagismo e lixeiras subterrâneas.
Eu estou achando isso aqui maravilhoso. É ótimo poder caminhar em um lugar como esse, dividindo espaço com as pessoas, as bicicletas, todo mundo junto, disse Silvandira, aprovando o investimento de R$ 60 milhões, entre recursos municipal e federal.
O eletricista Daniel Sousa, 32 anos, saiu de Paripe, no Subúrbio Ferroviário, e veio de ônibus conhecer o novo espaço de lazer. Estava ansioso. Estava trabalhando durante a semana, por isso deixei para hoje (ontem). Estava curioso. Valeu a pena, está muito bonito, disse ao lado da mulher, Stephane Costa, 22.
Copacabana Comparações foram inevitáveis - embora o entorno, com o Farol mais famoso do país, seja único. Para a moradora da Ribeira, Dejeane de Jesus, 28, a Barra tem tudo para ser a Copacabana baiana.
A Barra está show de bola, parece até Copacabana. Se a ideia era deixar o bairro com um clima familiar, conseguiram. A roda-gigante ficou massa, contou Dejeane, que espera que a orla de seu bairro fique tão bonita quanto a da Barra. No próximo mês, a prefeitura entrega a segunda etapa da requalificação na Ribeira.
A roda-gigante de 20 metros de altura continua montada próximo ao Farol até dia 31. Para garantir duas voltas no equipamento, contemplando o visual da orla, basta doar uma roupa, brinquedo ou alimento não-perecível, que será destinado a instituições de caridade. A roda-gigante funciona hoje das 9h às 21h.
As vizinhas do Cabula Francis Almeida e Cristiana Vieira ficaram 1 hora e meia na fila para ver a Barra de cima e não se desapontaram. Valeu a pena. A vista é linda, afirmou a bióloga Cristina. Espero que outras regiões da cidade tenham os mesmos benefícios, como a orla da Cidade Baixa, pediu a urbanista Francis.
Lá de cima, o motoboy Edízio de Oliveira Fernandes, 43, ensaiou um segundo pedido de casamento para a esposa. Achei romântico e nostálgico contemplar Salvador lá de cima, aí me deu vontade de fazer o pedido, brincou Edízio.
Para andar
Se o bairro já reunia de manhã cedo quem gosta de caminhar, com o novo conceito, que privilegia o pedestre, o pessoal do cooper está mais que satisfeito - o asfalto foi substituído por um piso intertravado e as calçadas foram alargadas; no trecho de piso compartilhado, há restrição no trânsito de veículos.
Só pode circular, a 20 km/h, carros de moradores ou de prestadores de serviço credenciados nos trechos entre o Farol e o Barra Center, assim como na região do Porto da Barra, entre a Rua Barão de Itapuã e o Yacht Clube.
E para espantar a desconfiança sobre as novas regras de circulação de carros, o proprietário do restaurante Forneria Bar, Tássio Freire, 39, afirmou: O movimento já aumentou. As pessoas vão se acostumar, com ou sem estacionamento.
De bike Ontem, cerca de 300 ciclistas invadiram a Barra. O passeio ciclístico partiu do Farol da Barra e percorreu 9,5 quilômetros, passando pelas avenidas Oceânica, Adhemar de Barros e Centenário.
Quem não levou bicicleta recorreu às laranjinhas do projeto Bike Salvador, como a servidora pública Cíntia Gonçalves, 33. Já tinha me cadastrado no sistema há um tempo, mais nunca tinha usado. Isso é ótimo porque incentiva a prática da atividade física.
Um carro de som puxou o cortejo de duas rodas que contou com a presença do coordenador do Movimento Salvador Vai de Bike, Isaac Edington. Esse primeiro passeio na nova Barra traz uma mensagem de compartilhamento das vias e estimula o uso das bicicletas, disse Isaac antes de seguir o percurso. Seja de bike ou andando, a sensação era uma só: valeu a pena.
Feira dos chefs traz pratos de grifes que custam de R$ 5 a R$ 15
Depois da caminhada, nada melhor que recarregar as energias com comida de qualidade e preço bom. A nova orla da Barra recebeu ontem estandes de 25 chefs de Salvador. A feira prossegue hoje na Rua Adolfo Magalhães. A expectativa é servir cerca de 500 pratos por dia, com preços que variam de R$ 5 a R$ 15, pagos em dinheiro.
Tem iguarias de restaurantes charmosos como Lafayette, La Taperia, El Caballito e Pereira. E novidades como o hambúrguer de fraldinha, do chef Gabriel Lobo, do Cozinha de Guerrilha. Já o chef Alicio Charoth participa com o Corno Baiano - crepe de tapioca recheado com folhas, guacamole e farofa de tapioca e charque.
A aposentada Helena Buruti, 57, passou atenta por cada estande antes de escolher o que degustar. Experimentei quiches, doces e tortinhas de R$ 5. Depois vou comer uma feijoada de R$ 15, contou parada em frente à barraca da chef Elvira Moraes. O chef Dudu Prado, 28, do Lafayette, trouxe sanduíche com cupim brasato - carne macia e saborosa. A feira gastronômica é organizada pela gestora cultural Carla Maciel e Agência Agosto e integra a programação de inauguração da nova orla do bairro.
Colaborou: Gil Santos
http://www.correio24horas.com.br/