Artesanato de bananeira pode ser MS na Copa


Quando buscou apoio do Sindicato Rural de Rio Brilhante para uma qualificação profissional, o grupo formado por 15 mulheres do Assentamento Margarida Alves tinha objetivo de se inserir no mercado de trabalho. O que essas mulheres não imaginavam é que poderiam ir muito além e, cinco anos depois de participar da capacitação em Artesanato em Fibra de Bananeira, desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar/MS - Sistema Famasul), seu trabalho pode ser um dos representantes do artesanato do Brasil durante a Copa do Mundo.

Com a fabricação de suporte para pratos e caixas de fibras a partir da fibra da bananeira, recheadas com doce de banana, as artesãs participam nesta sexta-feira (21), da Rodada de Negócios - Brasil Original do Serviço Brasileiro da Micro e Pequena Empresa (Sebrae/MS), onde as peças expostas serão expostas aos turistas que visitarem o Brasil durante os jogos da Copa.

A história começou quando o Senar/MS levou o curso de artesanato de fibra de bananeira ao assentamento. Com matéria-prima barata, as participantes se interessaram em aprimorar os conhecimentos e pediram que novas turmas do curso fossem realizadas para complementar o aprendizado. As capacitações mudaram nossas vidas e elevaram nossa autoestima. Passamos a cultivar as bananeiras, de onde retiramos o material para o artesanato, que incrementou a renda do assentamento, avalia Carmem Machado, representante do Margaridas do Campo.

Quando pedimos ao sindicato que levasse uma capacitação do Senar/MS, estávamos perdidas, sequer sabíamos ao certo com o que trabalhar. Hoje, estamos concorrendo entre os artesanatos que podem mostrar a beleza do País na Copa, podendo ter nosso trabalho visto por todo o mundo, o que é muito emocionante, comemora. Após participar dos cursos do Senar/MS, a Fundação de Cultura do Estado e uma consultora do Sebrae viu nosso trabalho e nos convidou para participar da Rodada de Negócios. Estamos nos sentindo gratificadas, valorizadas e percebendo que somos capazes, descreve.

O grupo, hoje composto apenas por sete mulheres, já tem propostas de empresários interessados em seu trabalho e à partir dos próximos dias irá expor suas peças na Casa do Artesão, em Campo Grande, além de participar em novembro da Feira da Agricultura Familiar, em Brasília. Independente do resultado, já nos sentimos vitoriosas, foi uma grande mudança nas nossas vidas. Hoje temos nosso trabalho reconhecido, nossa renda e nossas expectativas, finaliza a representante do Margaridas do Campo.

BRASIL ORIGINAL

O Brasil Original (ExpoArt) é um projeto do Sebrae, cujo o objetivo é desenvolver e inserir o artesanato em grandes eventos esportivos que o Brasil sedia. No Estado, a Rodada de Negócios reúne 20 artesãos e 20 possíveis compradores para negociações.
http://www.folhacg.com.br/