Artesanato brasileiro movimenta R$ 50 bilhões por ano

Jornal do Brasil
Pode ser em casa, no escritório, ou até mesmo em estabelecimentos comerciais, as peças artesanais são quase que uma regra absoluta. Sejam mais expressivas, ou discretas, grandes ou pequenas, elas sempre dão um toque especial ao ambiente, acrescentando-lhe um certo aconchego. O talento dos artesãos brasileiros está quebrando recordes e já chega a movimentar cerca de R$ 50 bilhões por ano segundo o IBGE. O dinheiro que alimenta uma cadeia regional de artistas, e que contribui para difundir as mais diversas manifestações multiculturais por todos os cantos do Brasil e, até mesmo no exterior, pois o nosso artesanato é um dos mais concorridos do mundo.
Além da mudança na economia, os bibelôs artesanais estão vencendo o preconceito e se autoafirmando como verdadeiras obras de arte que são. Somente em São Paulo já são mais de 150 ruas temáticas e mais de 170 galerias. Espaços que vão aquém da comercialização, proporcionando uma interação a mais de seus adeptos, através de exposições e cursos.
No meio dessa efervescência criativa, surgem os artistas de rua, e os ateliês de arte. E ali não muito distante, está a publicitária Fabiane Guimarães, que percebendo a força desse mercado, aliado ao seu desejo de criar, não mais campanhas publicitárias, mais sim, com tintas, pinceis, tecidos, madeira, e fragrâncias, emprestou nome, braços e toda criatividade ao Atelier que resolvera montar. Fabiane faz parte dos 8,5 milhões de pessoas envolvidas por esse mercado cada vez mais crescente de microempreendedores que fazem do artesanato o seu pequeno negócio. Depois de formada, e já insatisfeita com meu atual trabalho, fui atrás de outro emprego, e um curso de especialização , neste meio tempo eu, que já dominava a técnica de Bauernmalerei, aluguei uma sala dentro de uma casa muito simpática, e lá eu ficava pintando nas horas vagas. Foi então que decidi jogar tudo para o alto e trabalhar com o que me fazia feliz, justifica a artesã.
No LAtelier Fabiane Guimarães, ela produz e comercializa pequenas peças decorativas e utilitárias, como espelhos, caixas de chá, caixas de costura, caixas organizadoras, bandejas, cachepôs, sabonetes artesanais, perfume natural para ambientes, e mimos de Natal para decorar aquele cantinho da casa ou presentear alguém querido. Em sua opinião, a produção artesanal brasileira está cada vez mais em evidência, o que segundo ela justifica a expressiva crescente de 15% ao ano, vivida pelo setor. Esse crescimento não está restrito ao Brasil, Hoje, esse mercado está cotado como o quinto melhor negócio na América Latina, acrescenta a artesã que não esconde sua felicidade, destacando que o crescimento do mercado no país, está diretamente relacionado à mudança de comportamento dos brasileiros, que estão abrindo mais as suas portas para os produtos nacionais, e ao capricho dos artesãos brasileiros. É preciso ter uma boa técnica de produção e produtos com bom acabamento para atender as expectativas do consumidor. Segundo Fabiane esses últimos três meses do ano são responsáveis por 35% das vendas da empresa.
As técnicas variam entre Découpage, um conhecido estilo francês que consiste em colagens com diversos tipos de papel, tecidos, jornais. O Bauernmalerei que é um modelo de artesanato mais rústico, que foi criado na Alemanha, que se caracteriza pelas pinceladas livres e espessas de temas florais e animais. Além da pintura Country que nasceu nos Estados Unidos, e é muito utilizado em artigos infantis, pois consiste no uso de cores pastéis, sombreamento, pespontos, xadrezados e stêncil, tendo um resultado original e delicado.
http://www.jb.com.br/cultura/noticias/2013/10/30/artesanato-brasileiro-movimenta-r-50-bilhoes-por-ano/