Produtores atendidos pela Emater participam da Feira do Artesanato Mundial

Produtores atendidos pela Emater participam da Feira do Artesanato Mundial
Da Redação
Agência Pará de Notícias
Produtores capacitados pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater) vão expor e comercializar produtos na Feira do Artesanato Mundial (FAM) e III Feira Estadual do Artesanato paraense (Fesarte), que ocorrem de 23 a 31 deste mês, no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia. Promovidas pela Charp Eventos e Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Renda (Seter), as feiras terão a participação de 400 artesãos de 23 países.
Um grupo de artesãs das comunidades Águas Lindas, Curuçambá e Abacatal, em Ananindeua, Região Metropolitana de Belém, vai expor e comercializar itens de decoração e alimentação, resultantes de qualificação oferecida com o objetivo de gerar renda. Segundo a socióloga, Regina Herrera, da Emater, com esse trabalho, cerca de 80 mulheres têm uma alternativa de renda e melhoram a autoestima. Nosso trabalho vai além da assistência técnica, busca o desenvolvimento humano. Há mulheres que antes nem sequer saíam de casa, e agora estão confeccionando e vendendo seus produtos em vários eventos, diz.
Também estarão nas feiras de artesanato plantas ornamentais de diversas variedades, tamanhos e cores, resultado do trabalho de qualificação que a Emater oferece para egressos do sistema penal, por meio do projeto Cultivando Flores e Vidas, que faz parte do programa Articulação e Cidadania. A Emater capacita os egressos em um espaço na Central de Abastecimento do Pará (Ceasa), que também é parceira do projeto. Além do conhecimento prático, eles têm acesso a informações sobre mercado, inserção social e cidadania, com técnicas de empreendedorismo, práticas associativistas, terceiro setor e reaproveitamento de materiais recicláveis.
De Jacareacanga, no sudoeste paraense, índios da etnia Munduruku atendidos pela Emater desde 2011 vão mostrar ao público biojoias, bordunas, arcos e flechas e artigos artesanais diversos, além de apresentar a pintura corporal a base de jenipapo. É a primeira participação do grupo na FAM, mas no ano passado eles estiveram presentes na Feira da Agricultura Familiar da Amazônia Legal (Agrifal).
A expectativa é mostrar o trabalho produzido no município e o que é comercializado no comércio local e em Itaituba, diz o técnico em agropecuária da Emater Delival Batista. A estimativa é que os eventos movimentem em torno de R$ 300 mil em vendas diretas e R$ 2 milhões em negócios futuros. Na programação, voltada para o fomento e promoção do segmento como estratégia de valorização cultural e geração de renda, estão oficinas de artesanato, rodada de negócios e apresentação cultural.
Paula Portilho
Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará

Alimentos & Bebidas
Artesanato
Turismo