Feira do Artesanato oferece oportunidades de qualificação profissional

Feira do Artesanato oferece oportunidades de qualificação profissional
A Feira do Artesanato Paraense (Fesarte), que ocorre no Hangar, é uma oportunidade de qualificação para os artesãos participantes do evento
Da Redação
Agência Pará de Notícias
A III Feira do Artesanato Paraense (Fesarte), que ocorre no Hangar Convenções e Feiras da Amazônia, promove todos os dias uma série de palestras, oficinas e workshops com o objetivo de qualificar e capacitar o artesão paraense. As palestras nos ensinam coisas em que nunca pensamos para o progresso dos negócios, como lista de frequência de visitas no estande, pesquisas de opinião, cartão, folder. Tudo para divulgar melhor o nosso trabalho, diz a artesã do estande de Bragança, Edna Maria da Costa.
Carlos Elson Silva, consultor do Serviço de Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sebrae), apresentou a palestra Identificando oportunidades de negócios em feiras e exposições para cerca de 100 pessoas. É um público bem eclético, e queremos fazer com que as pessoas possam desenvolver suas atividades de forma mais empresarialmente consciente. Informações e dicas importantes de como aferir melhor e selecionar eventos são oferecidas nessas palestras, que mudam de tema a cada dia, explicou.
Dos 63 municípios paraenses com estandes na feira, Belém foi, até agora, o que mais arrecadou com vendas. A meta da organização do evento, a cargo da Charph Eventos e da Secretaria de Estado de Trabalho, Emprego e Renda (Seter), é atingir a marca de R$ 882 mil em vendas até o encerramento da programação, no domingo (31).
Na última terça-feira, representantes de doze Estados brasileiros se reuniram na Rodada de Negócios, que trabalhou com produtos específicos, conforme a demanda dos lojistas. Entre os pedidos estavam peças rústicas voltadas para a ambientação de casas e hotéis, arte plumária, ribeirinha, sacra e indígena, barro, bijuterias de semente, miriti, cesto palha e fibras. Em longo prazo, como consequência das negociações feitas durante a Fesarte, o objetivo é gerar cerca de R$ 1 milhão até dezembro de 2014.
São 1,2 mil artesãos envolvidos no evento e apoiados pelo Programa do Artesanato Brasileiro (PAB), com 44,1 mil peças expostas de 63 municípios, 14 Estados e 23 países participantes. A expectativa de público estimada é de 85 mil pessoas. Os números refletem o cenário promissor que a produção artesanal do Pará vem desenhando, com o apoio dos organismos que atuam no fomento ao setor.
Para se qualificar, Izaias Lopes participa de todas as programações e palestras da feira e afirma que é possível viver de artesanato. Trabalho com isso há 40 anos e sustento minha esposa e dois filhos, que estão na faculdade e sempre estudaram em escolas particulares, com a renda das peças que crio. Participar da feira garante um impulso para os meus negócios e uma margem maior de lucro, assegura. A Feira do Artesanato Paraense pode ser visitada das 15h às 22h.
Michel Ribeiro
Secretaria de Estado do Trabalho, Emprego e Renda
http://www.agenciapara.com.br/

Alimentos & Bebidas
Artesanato
Turismo