Ribeirinhos terão oficinas de artesanato em aguapé

Ribeirinhos terão oficinas de artesanato em aguapé
De 27 a 29 de maio será realizada a oficina de artesanato com fibra de aguapé, com moradores da comunidade ribeirinha de Porto da Manga, no municipío de Corumbá. O curso é de graça e destinado a jovens de 18 a 29 anos, atravésda Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.
Através das aulas os ribeirinhos terão a oportunidade de aprender a confeccionar artesanato com fibra de aguapé, conhecido também como camalote. A oficina será ministrada pela artesã Catarina Guató, uma das poucas remanescentes e difusoras deste conhecimento secular da etnia.
A artesã repassará o modo de saber-fazer do artesanato guató, que consiste na coleta da fibra de aguapé no rio Paraguai, manuseio, preparo e secagem da fibra, confecção e acabamento de trançados que serão utilizados na criação de cestarias, chapéus, tapetes, chaveiros, abanicos, suplats, fruteiras, entre outros objetos.
O aguapé é uma planta aquática abundante do Pantanal. Seus emaranhados formam os chamados camalotes, que flutuam nas águas servindo de abrigo e alimento para variadas espécies.
Catarina Guató
Catarina nasceu e foi criada na Ilha Ínsua, terra indígena Guató, na fronteira entre Mato Grosso do Sul, Mato Grosso e Bolívia, em pleno Pantanal. Já adulta mudou-se para a cidade de Corumbá onde, por indicação da amiga Josefina (em memória), deu sequência à arte que estava sendo gradativamente apagada da memória cultural brasileira.
Fonte: Juliana Rezende - Capital News (www.capitalnews.com.br)

Alimentos & Bebidas
Artesanato
Turismo