Curso oferece novas oportunidades para o mercado de trabalho

Esta é a 5ª turma qualificada através da Escola de Lapidação
Assessoria/Sicme
Além do diploma os alunos receberam também a carteirinha do artesão
DA REDAÇÃO
Vinte e três alunos do curso de lapidação oferecido pela Companhia Matogrossense de Mineração (Metamat) receberam o certificado de conclusão de curso. Esta é a 5ª turma qualificada através da Escola de lapidação.
O curso foi desenvolvido ao longo de três anos diversas pesquisas e ações voltadas ao artesanato e a lapidação de pedras coradas, explorando as riquezas minerais existentes no Estado.
De acordo com presidente da Metamat, João Justinho, o diploma representa a dedicação de cada aluno. Agora todos tem a garantia de uma profissão. Ao todo são 125 alunos qualificados através da Escola de lapidação, um trabalho que iniciamos em 2010.
Justino ressalta ainda, que para o próximo ano a perspectiva é de inovação. Estamos com um projeto para a implementação do curso de ourivesaria, para os ex e novos alunos a oportunidade de avançar nos processos de lapidação e designer de jóias, construindo uma marca do Estado no setor joalheiro.
Segundo o coordenador do Núcleo de Lapidação, Wanderlei Magalhães, durante o curso foram ministradas aulas sobre normas de segurança, forma de utilizar maquinários e ferramentas, novas técnicas sobre como transformar rochas e outros minerais em peças decorativas e a exploração da linha de produção, mostrando o potencial de ambientes geológicos de várias gemas de cor lapidáveis com condições de atender o setor joalheiro.
Além do diploma os alunos receberam também a carteirinha do artesão. O projeto é desenvolvido pela Secretaria de Indústria, Comercio, Minas e Energia (Sicme-MT), por meio do Programa de Artesanato de Mato Grosso. Para a coordenadora do Programa de Artesanato, Elvira Leite, a carteirinha trás muitos benefícios, como a emissão de nota fiscal, isenção de ICMS, acesso às linhas de créditos, participação em exposição e feiras e também se cadastrar no INSS e pagar taxa mínima.
João Broggi, geólogo e agora lapidário, ressalta que o curso foi muito satisfatório. Meu objetivo foi agregar conhecimento diante do mercado relacionado à mineração, já que faço arte desta área. Pretendo daqui pra frente ter a lapidação como uma fonte de renda extra e agora com a carteira do artesão tudo fica mais fácil inclusive a compra de equipamentos, através do acesso as linhas de crédito.
Para o analista de sistema do Banco do Brasil, Mauricio Bilhão, antes mesmo de terminar o curso já deu início a fabricação e comercialização de suas próprias peças. Eu já adquiri meu equipamento e vendo meus trabalhos para alguns joalheiros aqui do Estado. Além de participar do curso de lapidação aqui na Metamat, também tive a oportunidade de viajar e conhecer equipamentos modernos e inovadores voltados à lapidação, por isso, acredito que esse pode ser um ramo de geração de emprego e renda muito promissor.
Escola de Lapidação
Buscando oferecer conhecimento e mão de obra qualificada, em 2010 a Metamat através do Núcleo de Lapidação, implantou a Escola de Lapidação, que tem o objetivo de oferecer qualificação e a inserção no mercado de trabalho, no setor joalheiro, gerando emprego e rende.
Segundo o coordenador do Núcleo de Lapidação da Metamat, Wanderlei Magalhães, para oferecer uma boa estrutura aos alunos, foi realizada a aquisição de maquinários e equipamentos com a capacidade de atender até 20 alunos por turma.
Além de maquinários, Wanderlei ressalta que também foram confeccionados materiais didáticos e a realização de palestras e cursos. Boa parte dos alunos tiveram a oportunidade de participar do 1° Curso de Gemologia em parceria com a Associação dos Geólogos do Estado de Mato Grosso e Associação Brasileira de Geologia e Mineralogia, participação em feiras como a Feira do Empreendedor em 2011, onde foi montada uma oficina de lapidação de pedras coradas.
Também organizamos várias palestras com grandes multiplicadores no ramo de joalheiro e de gestão administrativa e comércio, como Charles Pantojas Esteves, atualmente Diretor de Economia Criativa do Sebrae-MT, Carmem Delamônica, designer de jóias e workshop técnico com o diretor presidente da Lapidart, Sergio Aspahan, diz o coordenador.
Desde 2007, o setor joalheiro pode contar com o beneficio da baixa de 18% para 5% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS). A resolução 03/2007, publicada em 17 de abril de 2007, institui a redução da base de calculo do ICMS para a produção e comercialização de jóias mato-grossense.
http://www.midianews.com.br

Alimentos & Bebidas
Artesanato
Turismo